28 de nov de 2013

Diários

Amar magoa. É como se oferecer para ser esfolada, e sabendo que a qualquer momento a outra pessoa pode simplesmente ir embora levando a sua pele. [...]

O moderno deslocamento da sensibilidade decorre do fato de que ainda experimentamos o espaço perceptivamente, mas não acreditamos mais que a nossa percepção – nossa experiência – seja verdadeira. [...]

Para escrever, é preciso permitir-se ser a pessoa que você não quer ser (entre todas as pessoas que você é). [...]

Quero ser capaz de ficar sozinha, achar isso revitalizante – e não apenas uma espera. [...]

O olhar é uma arma. Tenho medo (vergonha?) de usar minhas armas. [...]


O olhar – mais íntimo (envolvente) do que o abraço sexual, porque nele não há espaço para distanciamento; o gesto é compacto demais. [...]





Dos diários de Susan Sontag.

21 de nov de 2013


Do dia em que abracei uma das pessoas que mais admiro e aprecio. 
Devendra, desde então não consegui mais parar de ouvir At The Hop e pensar que deveria ter te falado:



Put me in your suitcase
Let me help you pack
'Cause you're never coming back
No, you're never coming back

Cook me in your breakfast
And put me on your plate
'Cause you know I taste great
Yeah, you know I taste great

At the hop, it's greaseball heaven
With candy pants and Archie too

Put me in your dry dream
Or put me in your wet
If you haven't yet
No, if you haven't yet

Light me with your candle
And watch the flames grow high
No, it doesn't hurt to try
It doesn't hurt to try

Well, I won't stop all of my pretending
That you'll come home
You'll be coming home, someday soon

Put me in your blue skies
Or put me in your gray
There's gotta be someway
There's gotta be someway

Put me in your tongue tie
Make it hard to say
That you ain't gonna stay
That you ain't gonna stay

Wrap me in your marrow
Stuff me in your bones
Sing a mending moan
A song to bring you home


*Foto da Maria Melgarejo